A Moagem de Sampaio, edifício retangular, de cor branca e portas avermelhadas, situado junto à rotunda dos espadartes, guarda um pedaço importante da história do concelho. 

Construído no início do século XX, funcionou como cavalariça, e mais tarde foi adaptado para moagem, recebendo cereais de toda a região. 
No seu interior é possível recordar os espaços que outrora corresponderam à salas de moagem, vendas e escritórios, armazenamento e equipamentos. 

No exterior, existem vestígios do tempo áureo do seu funcionamento, como um tanque de refrigeração da água para o motor e um ponto de pesagem e venda das farinhas produzidas. 

No final dos anos 40, o espaço passou à torrefação de café, até ter entrado em declínio na década de 90. Para preservar este importante testemunho da evolução tecnológica e industrial do concelho, a Câmara Municipal deu início à sua recuperação no final de 2008. 

Para além da substituição da estrutura da cobertura e do primeiro piso, colocação de novo soalho, reparação da alvenaria, entre outros trabalhos, a autarquia fez regressar à Moagem um dos seus elementos centrais, o motor Hornsby-Stockport. Instalado no edifício por volta de 1917. 

O engenho é composto por um conjunto de acessórios raros, originais e únicos que lhe conferem um valor patrimonial incalculável. A história do edificado, o funcionamento dos circuitos internos, a vida das moagens, desde a pré-história até às grandes moagens industriais, e o ciclo do pão são alguns dos temas que o público vai poder conhecer na Moagem de Sampaio, transformada em Núcleo Museológico dedicado à ruralidade do concelho, e cuja inauguração acontece no dia 25 de abril, às 11 horas. 

in www.cm-sesimbra.pt